Os desafios da Edge computing e como enfrentá-los

No constante vaivém entre TI centralizada e descentralizada, estamos começando a ver as limitações de uma TI que depende de centenas ou milhares de servidores executando aplicativos em data centers consolidados.

Novos tipos de cargas de trabalho, computação distribuída e o advento da internet das coisas deslocaram a computação em direção à borda da rede.

Em vez de centralizar toda a computação no data center, as empresas estão descobrindo que o processamento na extremidade da rede (Edge Computing), aproxima a computação a uma grande massa de dados – mas traz também um novo conjunto de desafios para a rede.

O que é Edge Computing e quais são os seus principais desafios

Edge Computing ou computação de borda é uma arquitetura de tecnologia da informação distribuída (TI) na qual os dados do cliente são processados ​​na periferia da rede, o mais próximo possível da fonte de origem.

Os dados são a força vital dos negócios modernos, fornecendo informações valiosas sobre os negócios e apoiando o controle em tempo real sobre processos e operações críticas de negócios.

As empresas de hoje estão inundadas por um oceano de dados e grandes quantidades de dados podem ser coletadas rotineiramente de sensores e dispositivos IoT operando em tempo real de locais remotos e ambientes operacionais inóspitos em quase qualquer lugar do mundo.

Mas essa inundação virtual de dados também está mudando a maneira como as empresas lidam com a computação. O paradigma de computação tradicional construído em um data center centralizado e na Internet cotidiana não é adequado para mover rios de dados do mundo real em crescimento infinito

Limitações de largura de banda, problemas de latência e interrupções de rede imprevisíveis podem conspirar para prejudicar esses esforços. As empresas estão respondendo a esses desafios de dados por meio do uso da arquitetura de computação de ponta.

Em termos mais simples, a computação de borda move uma parte dos recursos de armazenamento e computação para fora do data center central e para mais perto da fonte dos próprios dados.

Em vez de transmitir dados brutos para um data center central para processamento e análise, esse trabalho é executado onde os dados são realmente gerados – seja em uma loja de varejo, um chão de fábrica, um utilitário em expansão ou em uma cidade inteligente.

Apenas o resultado desse trabalho de computação na ponta, como insights de negócios em tempo real, previsões de manutenção de equipamentos ou outras respostas acionáveis, é enviado de volta ao data center principal para revisão e outras interações humanas.

Aqui estão os desafios mais importantes da Edge Computing que as empresas devem ter em mente.

1. Largura de banda da rede

A largura de banda da rede muda conforme as empresas movem computação e dados para o limite. Tradicionalmente, as empresas alocam maior largura de banda para data centers e menor largura de banda para terminais. A Edge Computing está gerando a necessidade de mais largura de banda na rede.

2. Computação distribuída

As empresas precisarão considerar a localização de presença como um aspecto adicional do caso de uso de computação . Os modelos de computação consolidados estão se dissipando e a rede é um elemento de computação chave, devido ao tráfego mais leste-oeste.

A infraestrutura de borda sempre precisa ser dimensionada adequadamente, por exemplo, a computação distribuída em um micro data center remoto pode consumir tantos recursos quanto em um data center centralizado.

3. Latência

Ao localizar a Edge Computing – onde a computação está mais próxima dos dados coletados – a latência do aplicativo é reduzida junto com a latência da tomada de decisão. Menos movimento para frente e para trás da borda para o centro significa respostas e ações mais rápidas.

Mas, com a computação localizada tanto no núcleo quanto na borda, os dados do aplicativo atravessam a rede em cada direção, compartilhando dados e lidando com direitos de acesso.

4. Segurança e acessibilidade

Com computação e aplicativos centralizados em um data center, as empresas podem padronizar a segurança técnica e a segurança física, construindo uma parede virtual em torno dos recursos.

A Edge Computing muda a pegada de segurança, exigindo que os servidores remotos tenham a mesma rede e modelos de segurança física para refletir os padrões de localização e tráfego.

As equipes de TI precisarão mapear claramente o acesso do usuário, pois a computação de ponta pode exigir direitos de acesso para os usuários em um número significativamente maior de dispositivos.

5. Backup

O modelo de computação de borda é normalmente orientado pela localização da criação de dados. As empresas precisam de uma estratégia geral de proteção de dados que possa compreender os dados, independentemente da localização.

Os requisitos de largura de banda da rede serão tão críticos quanto as considerações sobre mídia de armazenamento ao decidir como proteger esses ativos, porque o backup pela rede pode não fazer sentido.

6. Armazenamendo de dados

Os dados são um ativo comercial importante, e coletá-los na borda traz novos desafios e pode criar responsabilidades se não forem tratados de acordo com as regras de tratamento de dados existentes.

O armazenamento e o acesso aos dados são essenciais, e ambos precisarão abranger a rede como parte do ciclo de vida dos dados.

7. Controle e gestão

A localização da borda pode ser flexível – dentro de uma empresa, uma nuvem privada ou até mesmo uma nuvem pública – mas o gerenciamento e o controle precisam seguir os mesmos procedimentos e protocolos, independentemente da localização física da borda.

De forma ideal, as empresas usarão ferramentas de orquestração mais recentes para ajudar a gerenciar e controlar aplicativos de forma consistente, independentemente da localização.

8. Escalabilidade

Adicionar mais dispositivos conectados na borda aumenta a escala geral de tudo com que as equipes de TI trabalham. A Edge Computing não envolve apenas mais servidores na ponta, mas um aumento na escala em todas as disciplinas de TI: computação, rede, armazenamento, gerenciamento, segurança, licenciamento, etc.

As empresas precisam compreender isso à medida que movem os aplicativos para a rede edge: Edge computing não envolve apenas mais hardware em um local remoto, seu efeito se escala em tudo o que a TI toca.

Entre em contato agora mesmo com os especialistas da Conversys e conheça as soluções de segurança, gerenciamento de redes e conectividade da Aruba Networks. Estamos à disposição para ajudar a vencer os novos desafios.

Sobre a Conversys

A Conversys IT Solutions é uma provedora de serviços e soluções de Tecnologia da Informação e Comunicação com atuação em todo o Brasil.

Com uma equipe técnica e comercial altamente qualificada e uma rede de parceiros que incluem os principais fabricantes globais de tecnologia, a Conversys IT Solutions está apta a entregar aos clientes soluções customizadas de Infraestrutura de TI e Telecom.

Investimos em nossos colaboradores e parceiros e primamos por uma relação duradoura com os nossos clientes, pois acreditamos que desta forma conquistamos competências e conhecimentos necessários para inovar e gerar valor aos negócios em que atuamos.