Força de trabalho remota: 6 problemas potenciais que podem causar estresse em sua rede

A disseminação do novo coronavírus fez as empresas analisarem suas redes para garantir que pudessem lidar com o aumento do tráfego e oferecer suporte a uma força de trabalho remota.

Mas como as empresas sabem se estão realmente preparadas? De quais serviços eles precisam para sustentar uma força de trabalho remota produtiva? Onde estão os pontos potenciais de estresse da rede? É um quadro complexo porque muitas partes estão inter-relacionadas.

Analise os serviços necessários e estimativas de tráfego

O primeiro passo em qualquer mudança nos sistemas de TI é sempre realizar uma análise de requisitos. Primeiro, as empresas precisam entender quais serviços são necessários.

Os funcionários remotos precisarão de sistemas para substituir a interação face a face em um escritório. As comunicações unificadas ( UC ) abrangem uma combinação de funções de comunicação interpessoal, como chamadas de voz, correio de voz, videoconferência, compartilhamento de tela e mensagens instantâneas, para equipes e indivíduos.

Os funcionários remotos também precisarão de acesso a aplicativos de negócios e repositórios de armazenamento de documentos. As empresas que adotaram os serviços de nuvem podem estar em uma situação melhor do que as empresas que ainda não fizeram a migração para a nuvem.

Pode ser um desafio para as equipes de TI entender os requisitos de uma implantação nova e massiva feita sob medida para uma força de trabalho remota.

Elas terão que fazer estimativas com base nas estimativas de uso de UC, contagens de funcionários e as demandas de rede das funções comerciais normais. Além disso, eles precisarão de licenças UC para funcionários, estimativas de largura de banda necessária por funcionário e o pico de largura de banda de todos os funcionários.

Mesmo uma compreensão rudimentar do volume de tráfego da rede atual pode fornecer uma base para as estimativas. Uma maneira fácil de estimar é determinar o volume em cada uma das várias classes de tráfego:

  • Chamadas de voz
  • Vídeo interativo em tempo real, como videoconferência
  • Streaming de vídeo – por exemplo, assistir a vídeos de treinamento
  • Aplicativos de negócios interativos
  • Aplicativos de dados em massa, como e-mail e transferência de arquivos
  • Tráfego desnecessário, como streaming de música e outro entretenimento.

Algumas das estimativas de tráfego não terão muita base, e as equipes terão que adivinhar e revisar depois de adquirir mais experiência.

Pontos de estresse da rede

Depois que as equipes tiverem estimativas de tráfego de rede, elas podem começar a ver como uma força de trabalho remota pode sobrecarregar a rede. Abaixo estão 6 fatores que as equipes de TI devem monitorar para potencial estresse na rede.

1.   Roteamento de tráfego

Oferecer suporte a um número maior de funcionários remotos mudará drasticamente os fluxos de tráfego da rede. As equipes podem precisar implementar mudanças de roteamento para otimizar o desempenho da rede. Eles também podem precisar monitorar os caminhos do tráfego de rede para garantir que o tráfego atravesse os sistemas de segurança de rede apropriados.

Um problema menos conhecido é a resolução de DNS, que direciona um trabalhador remoto para um serviço distante em vez de um serviço local.

2.   Acesso à Internet

Os funcionários remotos se conectarão à organização pela Internet, criando estresse adicional nos links de acesso à Internet e equipamentos de rede, como roteadores, switches, firewalls e concentradores de VPN.

De forma ideal, as equipes devem configurar roteadores voltados para a Internet para fornecer serviço ativo-ativo, no qual cada roteador carrega o tráfego de entrada e saída. Não se esqueça de verificar a capacidade dos firewalls voltados para a Internet.

Os sistemas de monitoramento de rede devem ser configurados para vigiar de perto esses sistemas críticos para possíveis condições de sobrecarga.

3.   Capacidade do concentrador VPN

O número de VPNs remotos aumentará significativamente, colocando mais pressão sobre os concentradores de VPN na extremidade da rede corporativa.

Pode não ser viável adquirir e instalar concentradores VPN físicos. Em vez disso, considere o uso de dispositivos virtuais que podem ser rapidamente instalados nas plataformas de hardware disponíveis. As infraestruturas baseadas na nuvem são ideais para este tipo de operação.

4.   Limitações de videoconferência e voz

Durante o processo de estimativa de tráfego para voz e vídeo, tente estimar o número de chamadas em conferência e compare-o com as limitações da organização para unidades de controle multiponto.

As equipes podem precisar investigar alternativas, como a migração do tráfego de conferência para um provedor de nuvem a fim de reduzir os requisitos de link de Internet corporativo. Muitos fornecedores anunciaram licenças gratuitas por alguns meses em resposta ao coronavírus.

5.   Redes locais de trabalhadores remotos

A qualidade da rede no local de um trabalhador remoto faz uma grande diferença no desempenho geral. Primeiro, os roteadores e switches Wi-Fi do consumidor provavelmente não atendem aos padrões corporativos. É comum encontrar roteadores Wi-Fi de muitos anos, usando conectividade 802.11b antiga com velocidades de até 1 Mbps .

Uma cobertura sem fio deficiente ou interferência em uma rede doméstica pode ser um fator importante. A interferência pode vir de roteadores Wi-Fi próximos, como em um prédio de apartamentos ou condomínio, ou pode vir de outros dispositivos, como fornos de microondas e babás eletrônicas, que operam nas bandas de 2,4 GHz.

A competição pela largura de banda também pode vir de outros membros da família, especialmente se algum desses membros gosta de aplicativos de streaming de vídeo.

Finalmente, os dispositivos Wi-Fi mais antigos podem sofrer de bufferbloat, uma condição na qual grandes buffers de pacotes internos confundem protocolos de prevenção de congestionamento de rede, resultando em perda significativa de pacotes e atrasos.

6.   Segurança de rede

As organizações que não usam tecnologia de trabalho remoto seguro correrão o risco de malware. É tentador fazer o que for necessário para colocar os funcionários online, mas recomenda-se manter a segurança da rede rígida porque os malfeitores tentarão tirar vantagem das brechas de segurança.

As equipes vão querer continuar a ter sistemas de detecção de intrusão e proteção contra intrusão para proteção contra malware e ciberataques.

Comece a planejar agora

O suporte a uma grande força de trabalho remota inclui muitos fatores que freqüentemente interagem uns com os outros.

Fazer com que tudo funcione bem em conjunto envolve um planejamento detalhado e a tomada de decisões corretas quando as compensações devem ser feitas.

Fornecedores, empresas de teste de rede e consultores de confiança podem ajudar a criar opções que funcionam para sua organização.

A Conversys pode ajudar sua empresa a reduzir os riscos e impactos dessa crise global. Entre em contato agora mesmo com os nossos especialistas e conheça as soluções de segurança, gerenciamento de redes e conectividade da Aruba Networks. Estamos à disposição para ajudar a vencer esse desafio.

Sobre a Conversys

A Conversys IT Solutions é uma provedora de serviços e soluções de Tecnologia da Informação e Comunicação com atuação em todo o Brasil.

Com uma equipe técnica e comercial altamente qualificada e uma rede de parceiros que incluem os principais fabricantes globais de tecnologia, a Conversys IT Solutions está apta a entregar aos clientes soluções customizadas de Infraestrutura de TI e Telecom.

Investimos em nossos colaboradores e parceiros e primamos por uma relação duradoura com os nossos clientes, pois acreditamos que desta forma conquistamos competências e conhecimentos necessários para inovar e gerar valor aos negócios em que atuamos.