5 melhores práticas a serem consideradas ao implementar telemedicina nos hospitais

2020 foi um ano desafiador para a saúde. A pandemia COVID-19 pressionou hospitais e clínicas a mudar a forma como trabalham para garantir a segurança de seus funcionários e pacientes, bem como mudanças entre os prestadores de cuidados primários e pequenos consultórios.

A redução nas visitas ao consultório devido a questões de segurança no início da pandemia forçou muitos hospitais a considerar rapidamente a telemedicina para continuar cuidando e monitorando os pacientes que optam por evitar salas de espera.

O salto para a telemedicina é a resposta para salvar uma prática durante esses tempos sem precedentes?

De fato, a telemedicina é implementada de várias maneiras diferentes, incluindo configurações que se concentram em facilitar chamadas de áudio e vídeo entre o paciente e o profissional de saúde, bem como aquelas que vão até o suporte ao monitoramento remoto dos sinais vitais de um paciente em tempo real.

Essas opções provaram ser as mais desejáveis ​​durante a pandemia, pois permitem que os pacientes fiquem em casa e interajam com sua equipe de atendimento sem o risco de viajar e se expor ao vírus.

No entanto, implantar serviços de telemedicina não é uma tarefa simples, considerando as implicações e os riscos potenciais que podem representar para a prática e para o paciente.

Para ajudar a garantir que a implementação da telemedicina seja um sucesso, os hospitais devem considerar as cinco práticas recomendadas a seguir ao iniciar sua jornada pela telemedicina.

1.  Identifique a viabilidade e fatores de risco

Uma das primeiras etapas para implementar a telemedicina é identificar a viabilidade e os fatores de risco potenciais associados a um serviço ou oferta.

Esta é uma etapa crucial para determinar quais serviços podem ser prestados via telemedicina e se os reembolsos disponíveis são financeiramente viáveis ​​para sustentar o serviço e seus custos.

Muitos ainda veem o reembolso como um grande desafio para os médicos, pois eles não fornecem financiamento adequado para suportar os custos relacionados ao software e outros custos de telemedicina incorridos pelas práticas.

Uma vez que isso seja determinado, a próxima etapa é identificar os diferentes fluxos de trabalho e processos necessários para implementar a iniciativa de telemedicina.

2.  Avalie os recursos de cada oferta

O mercado de tecnologia tem várias opções para a escolha de clínicas de saúde e consultórios médicos, incluindo serviços e produtos tão fáceis de usar quanto o FaceTime e outros com recursos mais abrangentes que podem rastrear faturamento, agendamento e compartilhamento de conteúdo.

Alguns recursos que estão disponíveis atualmente são:

  • Suporte para monitoramento remoto de sinais vitais;
  • Integração com dispositivos médicos eletrônicos;
  • Suporte de áudio e vídeo;
  • Autoatendimento para agendamento de pacientes;
  • Suporte de aplicativo móvel ;
  • Suporte de documentação clínica; e
  • Formulários e registros personalizados de entrada de pacientes.

3.  Comece com um piloto como um test drive

Depois que uma solução tecnológica aplicada a telemedicina é selecionada, uma das melhores maneiras de identificar como ela se encaixaria na prática médica é testar a plataforma com um grupo de pacientes e resolver quaisquer problemas ou preocupações que o grupo possa enfrentar, como conectividade deficiente, conflitos de agendamento e cobrança ou questões de reembolso.

4.  Comunique-se com seus pacientes

A telemedicina é vista por muitos pacientes como uma opção mais conveniente e uma oportunidade para as práticas médicas agregarem valor aos serviços que prestam aos pacientes.

Para garantir que seja benéfico para todos, é importante se comunicar com os pacientes regularmente e documentar o feedback. Isso pode ser feito por meio de sinalização, campanhas de e-mail ou telefonemas.

5.  Rastreie os KPIs para garantir que a implementação seja bem-sucedida

Uma vez que uma prática de saúde implementa uma oferta de telemedicina, ela deve monitorar os indicadores-chave de desempenho ( KPIs ) para garantir seu sucesso, incluindo:

  • Escores de satisfação do paciente;
  • Reembolsos e receitas de telemedicina;
  • Produtividade do provedor; e
  • Estatísticas de agendamento.

A capacidade de persistir essa mudança e a capacidade de redimensionar o atendimento virtual para incluir todos os tipos de visitas que têm a oportunidade de ser bem-sucedidos virtualmente requer o apoio de uma arquitetura de TI mais ampla, requer o apoio de uma infraestrutura tecnológica segura que vai permitir isso.

Pacientes conectados: uma nova realidade

Outra área de TI da saúde afetada pela pandemia é o monitoramento de pacientes por meio de câmeras de vídeo e patches de sinais vitais.

A pandemia levou os sistemas de saúde a pensar fora da caixa ao monitorar pacientes com COVID-19 para reduzir a exposição e o uso de equipamentos de proteção individual, às vezes com a tecnologia existente.

Ferramentas de monitoramento têm sido úteis no gerenciamento de pacientes com COVID-19 durante a pandemia e provavelmente levarão os hospitais a pensar sobre como expandir o papel dos recursos de vídeo, como o treinamento de modelos de visão computacional para procurar indicadores de saúde do paciente.

Tudo isso combinado com novas maneiras de coletar dados vitais, o que dá início a uma experiência de saúde orientada pela tecnologia.

Nos próximos anos , os hospitais terão o desafio de oferecer cada vez mais suporte a novas ferramentas digitais e modelos operacionais, e precisarão se adaptar para fazer ambas, apesar das restrições orçamentárias.

Elas não apenas precisam ser adaptáveis ​​e responder ao cuidado virtual e ao dimensionamento da infraestrutura para suportá-la e à identificação de novas ferramentas digitais, mas também estão sendo informados de que terão que adaptar seus orçamentos, enquanto ainda apóia esta digitalização avançada que eles tiveram que implementar.

Esse é um grande desafio que os hospitais e profissionais de saúde terão que enfrentar.

Entre em contato agora mesmo com os especialistas da Conversys e conheça as soluções de segurança, gerenciamento de redes e conectividade da Aruba Networks. Estamos à disposição para ajudar a vencer os novos desafios.

Sobre a Conversys

A Conversys IT Solutions é uma provedora de serviços e soluções de Tecnologia da Informação e Comunicação com atuação em todo o Brasil.

Com uma equipe técnica e comercial altamente qualificada e uma rede de parceiros que incluem os principais fabricantes globais de tecnologia, a Conversys IT Solutions está apta a entregar aos clientes soluções customizadas de Infraestrutura de TI e Telecom.

Investimos em nossos colaboradores e parceiros e primamos por uma relação duradoura com os nossos clientes, pois acreditamos que desta forma conquistamos competências e conhecimentos necessários para inovar e gerar valor aos negócios em que atuamos.